Blog Madá

pilates parkinson

Parkinson e Pilates, como realizar um tratamento voltado para a qualidade de vida

A doença de Parkinson é uma enfermidade crônica e progressiva, que afeta o sistema nervoso central (SNC), degenerando os neurônios e diminuindo drasticamente a dopamina.

A utilização do método Pilates no tratamento de indivíduos acometidos pelo Parkinson tem demonstrado resultados benéficos, como melhora da postura e da rigidez nos membros.

Além disso, percebe-se evolução no quadro de sintomas que os pacientes apresentavam no começo do tratamento, tais como equilíbrio e flexibilidade, aumentando significativamente sua qualidade de vida.

Sintomas da doença  

Esta é uma doença que afeta mais de 2% da população acima de 65 anos. Ela é mais comum entre os homens e pessoas que têm predisposição por hereditariedade. 

O termo “parkinsonismo” é comumente usado para designar um grupo de desordem que produz anomalias no sistema dos gânglios de base que são as estruturas relacionadas com os movimentos.

Clinicamente, seus sinais cardinais são o tremor de repouso, rigidez, bradicinesia e instabilidade postural.

Bradicinesia é a dificuldade em manter movimentos relacionados ao dia a dia, reduzindo a velocidade, alcance e amplitude desses movimentos. 

Isso acontece porque há um certo atraso do cérebro ao transmitir os estímulos para as demais partes do corpo, que respondem com lentidão.

Além desses sintomas, podem estar presentes outros não relacionados com o físico, tais como ansiedade, depressão, desmotivação e insônia. Por isso, também é recomendável o acompanhamento de profissional ligado à saúde mental.

Como tratar o Parkinson com Pilates

O tratamento da doença de Parkinson pode ser medicamentoso e físico. Associar a terapia com fármacos aos exercícios que desenvolvem as complicações motoras geralmente apresenta ótimos resultados.

O método Pilates associa o condicionamento físico que envolve corpo e mente, devolvendo ao paciente a capacidade de movimentos, a força, o equilíbrio muscular e a consciência corporal.

A correção postural promove maior estabilidade para a realização das atividades cotidianas, como cozinhar, fazer compras ou até mesmo realizar caminhadas.

O principal objetivo do método é reconectar o praticante com seu próprio corpo, descobrindo a qualidade de vida que ele proporciona.

É importante ressaltar que os exercícios musculares são de baixo impacto, utilizando princípios imprescindíveis tais como a concentração, controle, precisão, respiração, fluidez do movimento e utilização do centro da força.

De modo praticamente inconsciente, esses princípios passam a ser incorporados pelo praticante no dia a dia.

Por se tratar de um método que mescla a abordagem oriental e ocidental, o Pilates promove maior consciência a respeito do equilíbrio, percepção, controle corporal e relaxamento.

O Pilates, quando bem orientado por profissional habilitado, representa risco praticamente inexistente para seus praticantes, por ser conduzido de maneira extremamente cautelosa.

O resultado da prática é aplicação de postura correta no cotidiano, em atos como sentar, andar e agachar, sem comprometer estruturas musculares, articulações e ossos.

Uma variedade de exercícios de fortalecimento, alongamento e flexibilidade pode alterar o padrão de musculatura rígida e alterar postura.

Exercícios para alunos com Parkinson

Pilates como tratamento para Parkinson

Lembre-se que essas são sugestões de exercícios totalmente adaptáveis de acordo com as necessidades apresentadas pelo seu aluno.

1 – Respiração: É importante começar a aula com exercício de respiração, para trazer tranquilidade, presença e consciência. Em decúbito dorsal com joelhos em flexão e antepé apoiado na barra, com os braços ao longo do corpo, solicite a repetição de dez inspirações e expirações profundas.

2 – Footwork Toes: Realizar este exercício lentamente, com muita atenção na tensão mola aplicada. Estender o quadril e o joelho lentamente, de modo a trabalhar toda a musculatura dos membros inferiores. Dez repetições.

3 – Mermaid: No reformer, iniciar flexibilização, verificando se o aluno consegue sentar nesta posição ou com pernas dobradas na posição borboleta. Caso seja necessário manter uma das pernas do lado de fora do aparelho, o exercício pode ser realizado no cadillac, por ser mais alto. Dez repetições de cada lado.

4 – Leg Series Supine: Este exercício deve ser realizado no cadillac, com as alças bem presas aos pés. O aluno deve realizar a extensão do quadril. São dez repetições, com cada perna.

5 – Leg Series One Leg: Com o aluno em decúbito ventral, joelho em flexão e alças apoiadas no pé e braços ao longo do corpo, realizar a extensão do joelho. Realizar dez repetições com cada perna.

6 – Pump One Leg Front: Com o aluno de frente para a cadeira, com as mãos apoiadas nas barras e punho em posição neutra, manter quadril e joelho em flexão. O ante-pé deve estar apoiado no pedal. Realizar a extensão do quadril e joelho, dez vezes de cada lado.

7 – Remada Pronada: Ainda mantendo o aluno sentado no cadillac, solicitar ao aluno 

que se sente sobre seus ísquios, com as mãos na barra móvel. Desta forma, o aluno deve realizar a flexão do cotovelo, com adução das escápulas e extensão horizontal do ombro. Dez repetições.

8 – Flexibilização: De frente para a Chair, com as duas mãos nos pedais com os punhos em posição neutra, o aluno deve realizar um enrolamento da coluna/ flexão anterior do tronco.

Finalizar a aula sempre com o relaxamento, solicitando que o aluno fique em decúbito ventral, recebendo massagem com o rolinho.

É fundamental realizar uma avaliação diagnóstica para receber alunos com patologias neurológicas, para perceber possíveis cuidados especiais.

Além disso, o espaço físico deve contar com acessibilidade para o caso do aluno precisar de bengalas, andador ou até cadeira de rodas.

Os objetivos devem ser traçados junto com o aluno, para que possam avaliar juntos os progressos atingidos, a partir do conhecimento da patologia.

Lembre-se de ficar atento ao fator psicológico do seu paciente. Pode ser que, por causa da Doença de Parkinson, o aluno apresente baixa motivação e até mesmo sintomas depressivos.

Por isso, é tão fundamental a promoção da socialização destes alunos com os demais, mantendo as questões de distanciamento e segurança. 

O nosso estúdio proporciona estes e muitos outros recursos para recepcionar a todos com o cuidado, respeito e responsabilidade que merecem. Venha nos conhecer!

Veja também Como o Pilates pode ser fundamental para tratamento de AVC

Posts Populares

O Vila Madá

O Pilates Vila Madá está em atividade desde 2007 e foi totalmente planejado para oferecer um atendimento diferenciado. Com ambientes amplos, modernos e bem equipados, o local conta com profissionais extremamente capacitados para lidar com cada aluno de forma individual e personalizada.

Nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência.